As cinco condições para a comunhão - Roma & FSSPX

De fato, segundo Andre Tornielli em seu blog, a condição principal foi a de que a FSSPX não ataque a pessoa do papa e nem afirme que fazem parte de um magistério superior a ele. As cinco condições que resultaram do encontro em 4 de junho entre Castrillòn e Fellay foram as seguintes:

1) Empenho a uma resposta proporcional a generosidade do papa;
2) Empenho em evitar qualquer intervenção pública que não respeite a pessoa do Santo Padre e que possa ser negativo para a caridade eclesial;
3) Empenho de evitar a pretensão a um magistério superior a do Santo Padre e de não propor a Fraternidade em contraposição com a Igreja;
4) Empenho em demonstrar a vontade de agir honestamente na plena caridade eclesial e no respeito à autoridade do Vigário de Cristo;
5) Empenho em respeitar a data fixada - no fim do mês de junho - para responder positivamente. Esta será uma condição exigida e necessária como preparação imediata à adesão para ter a plena comunhão.

Estamos em um momento histórico para a Igreja contemporânea. O pedido de Bernard Fellay para que Roma levante a excomunhão lançada sobre si em 1988, fez com que a Santa Sé propusesse algumas condições para que o desejo de Fellay fosse realizado. Aguardemos 28 de junho, o "Dia D".

1 comentários:

Andrea disse...

Gente, será que vai acontecer? Aguardemos as cenas dos próximos capítulos...